CREMATORIUM

quarta-feira, 23 de maio de 2012.



Meus fluidos, agora vapores, soltos ao vento
Um monte de cinzas tristes, estáticas lembranças
Não serei um fantasma, tampouco ser de luz
Meus restos mortais espalhados na correnteza
Fruindo a magia da volta aos braços da mãe
Serei pó, longe de lápides
Concreto grotesco, burrice sem fim
Não quero uma tumba escura, gelada
Castigo hermético aos meus pecados
Aos vermes, extintos de inanição, nem a carne putrefata
Nem meu corpo morto vendido aos abutres
Breve terei de volta meu pó criador
Ao meu amor, a saudade, curta ilusão
E minha solidão findará pois, ah findará
Único não mais serei, serei tudo
Da una decepção estarei todo universo

2 Comentários:

Ka - Anjo da Noite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ka-anjodanoite disse...

Olá my darling.

Peço desculpas pela demora em me pronunciar ante ao vosso pedido de parceria, venho agora para dizer-te, sim, aceito-o como parceiro.

Bem como para postar meus parabéns pelo vosso blog.

Lindos poemas e expressões da alma. Como este, que conseguiu traduzir em palavras a cremação do corpo físico, podo um fim a amargura de uma existência e libertando o espirito, que é uma vontade que carrego em meu ser.

Mais uma vez parabéns.

Postar um comentário

 
XW Mundo Sombrio © Copyright 2010 | Design By Gothic Darkness |