Bahugera (Conto/Poesia)

sexta-feira, 9 de março de 2012.
Bahugera


Na penumbra onde vaga, ser estranho
Que possuí aspecto e nome indizível,
Procuro por uma resposta solúvel,
Para exprimir esse fato, enfadonho!


Sabendo o que ali vivia era vil e astuto,
Uma horrenda besta em forma de fera,
Que chamei pelo nome de Bahugera,
Para os deuses sua forma, era insulto!


Fugindo-me as palavras e a voz,
Para expressar o que a besta rugiu
Fazendo tudo no breve momento, ruir
Entalando-me o medo na garganta, em nó.


E como no despertar de um pesadelo
Eu morri, nas entranhas da caverna.
Feito bêbado desmaiado na taverna,
E embriagado passei a teme-lo.


Sentia seu corrosivo anélito,
Perfurar-me como a fria lâmina
Que fez jazer a carne desumana,
Transformando o vivo em morto.


Fugindo-me as palavras e a voz,
Compreendendo as razões do medo
E todo temor que era desconhecido,
O desespero da garganta entalada em nó!


-Eu que já era velho, no princípio.
E a terra foi um profundo abismo,
Não se tratava de grande eufemismo,
Eu já era velho quando nasceram os egípcios!

Comentários:

Postar um comentário

 
XW Mundo Sombrio © Copyright 2010 | Design By Gothic Darkness |